[Livro] A Carne da Era – Sávio de Araújo (2019)

A Carne da Era Capa 2

A Carne da Era Contra Capa

 

 

Em abril desse ano lancei meu primeiro livro de poemas, “A Carne da Era”, pela Lumme Editor. É composto por 30 poemas e tem o prefácio assinado por Claudio Daniel.

>> Download <<

>> Compre (versão física) <<

 

 

Publicidade

IV

33687276_474805042954482_7247645492526448640_n.jpg

Ao lembrar daquela mulher
lembro da cidade onde sucumbimos
ao sangue de nossas horas.

Da revoada ao leito do mar
rugindo a garganta
da noite desperta.

No caminho de sua casa
consumíamos as calçadas
para ver raízes brotando.

Quantos impedimentos imputei,
e mesmo assim o desejo lambia
descontrolado a lâmina dos segredos.

E se havia um mar, havia um rio,
calmo como meu medo
pela fragilidade de seu corpo.

Calmo como a transformação
desse medo em um esparso
crepúsculo anil.

Em pouco tempo segui seu rastro
pelas montanhas. Soube onde
nascia aquele rio.

Escorríamos de volta.
Aquela mulher e as águas da cidade
tornaram-se a mesma coisa.

Juntos tomávamos banho
nessas águas, até que se formasse
o silêncio naquela cidade.

PALAVRA

30704483_455982871503366_7288560261521211392_o.jpg
A palavra esquecida
evapora improvável.

Incinerado neste
caminho estranho
permaneço quieto.

A treva deglutida
pela boca calada
borbulha onde
não se sabe.

Sigo o método da dor
e faço da palavra
uma antiga opressão.

Desperto
a raiz tempestuosa
que cresce
no tempo da escrita

Deixo-a destruir
sonhos inúteis
que lutam por nomes,
pois serei agora
um mar intransponível,

o signo infinito de
idiomas mortos
na língua improvável
de cada palavra.

A disputa das eras – William Carlos Williams

williamcarloswilliams.jpg

Há um antagonismo entre as eras. Cada uma deseja escravizar as outras. Cada uma deseja triunfar. É muito humano e completamente incompreensível…Se lemos sozinhos [sem escrever] ficamos convencidos de que não estamos totalmente vivos, que somos de algum modo menos que eles — os que viveram antes de nós.

Fixada em palavras — nos maiores clássicos — está a maioria, senão toda a estupidez que nos enfeitiça, que nos faz querer escrever, que nos inspira a criar. Ao ler, enquanto estamos embebidos pela sabedoria das eras, estamos ao mesmo tempo embebidos pela morte e a imbecilidade, a rudeza escravizante das eras.

Nós somos o centro da escrita, cada homem para si, mas ao mesmo tempo para sua era.

— William Carlos Williams, The Embodiment of Knowledge (1974, p. xi) [Tradução própria]

O ARTISTA

É preciso, afinal
nascer vencido pela solidão.

Eu poderia lhes dizer sobre
a coragem do esquecimento.

Poderia lhes dizer ainda sobre
o inconstante corpo dos poetas.

Mas o louvor da impiedade
é para poucos.

E quem, afinal
sabe o que isso significa?

Não há hinos ou bandeiras
nos recantos obscuros da verdade,

apenas idiomas em urros
desabados sob o tempo do cruel.

Como sofrem essas
lindas bestas em criação.

Tudo, afinal
para sentir algo se dizendo.

E o que é dito persegue
as alcunhas torcidas do artista

como cobras camufladas
num pasto alagado.

Não há fuga
para o belo.

A LIBERDADE

Não há o que dizer.
Sou hoje o rastro desse segredo.
Meu corpo é uma despedida
na alvorada da miragem.
Penso na noite interminável.
Não há nada a dizer.

O tempo não precisa da vida,
por isso perder é tão sublime.
Não mais lutar com a memória.
Tenho em seres esquecidos
meus amores mais profundos.

Aprender o esquecimento
da próxima liberdade,
pois nisso ela se resume:
saber sem não mais lembrar.

Trilha sonora – Solo de dança “Metamorfose”

Aline Festival 44

As notícias que chegam da Europa são de que a trilha sonora do solo de dança “Metamorfose”, produzida por mim e meu irmão Thales de Araújo, estão recebendo boas críticas por lá. Muito animador ver o trabalho reconhecido mundo afora!

No dia 5 de março foi o a estréia internacional do solo no festival “Dferia” na cidade de San Sebastián/ Espanha. A estréia nacional foi no festival “Dança em Transito” na cidade do Rio de Janeiro no fim do ano passado.

Parabéns à bailarina Aline Corrêa pelo trabalho desenvolvido e a todos os demais envolvidos na realização da obra.